Meu trabalho com a Arte Sagrada começou em 2005.Comecei confeccionando Filtros dos Sonhos e Cálices de coco pra altares.
Em 2006 comecei minha caminhada dentro do Xamanismo em Novo Hamburgo- RS.
Com alguns meses fazendo uso do cachimbo sagrado nas cerimônias, decidi criar um para mim e assim intui o primeiro: um Cachimbo de Mago na cor verde. Mas esse não era pra mim, e assim criei um segundo, que foi para um grande irmão do caminho, pois ele namorava a peça de modo que não pude deixar de passar a ele.
Eu realmente precisava de um que fosse meu e veio então o Emplumado.
Este me acompanhou por mais de ano.
Nesse mesmo tempo fiz 3 peças que presenteei a 3 pessoas muito queridas.
Essas peças foram criadas de modo personalizado, dentro da energia de cada portador, foi muito bem recebido por eles e fez muito sucesso entre os demais irmãos.
Todas as peças criadas são recebidas prontas do astral.
Trata-se de um Ancestral muy antigo, é dele que vem o dom com as mãos.
É um trabalho de ordem espiritual, uma obrigação sagrada que assumi perante os mestres, mesmo antes de vir aqui.
Pode ser feito muita coisa. Desde que seja dentro dessa energia mágica, natural e sagrada.
No momento atual estou desenvolvendo a habilidade do entalhe.Tenho muita facilidade com os entrelaçados Celtas e toda gama de arte élfica e fantástica.
E recentemente adotei o sistema de trocas, assim não se envolve mais o dinheiro.
Esse nunca foi o objetivo de meu trabalho.
Trabalho sempre com o material disponível no lugar, pode ser madeira ou argila ou ainda pedra, levando –se em conta a disponibilidade de ferramentas e o mais que seja necessário.
Para ser criada uma peça é preciso que eu estabeleça um vínculo com a pessoa, conhecendo sua energia e um pouco de sua caminhada.
Algumas vezes eu intui a peça e depois de alguns meses pronta foi que seu portador me encontrou, gostando justamente da tal peça já pronta.
E não costumo estabelecer prazos pra entrega. Tudo vem na hora certa, sempre foi assim, sempre será.
Eu sou Elladan Glorium.
Pax et Lux ad Eternum

1 comentários:

Eliane disse...

Um pouco sobre a natureza das flores

Farfalham os ventos
E ao redor...
O rugir de seus feitos
Absorvo com o tato o seu contato
Inebrio minha lépida e faceira amada com o meu próprio rugir
Ah! Quanto amor há em não fugir.